• Fabio Ritter

A maldição do melhor do mundo


O ano era 2002. A partida, Brasil e Alemanha. A fase, final na qual qualquer erro seria fatal. De um lado, Marcos, jogando sua primeira Copa do Mundo, e de outro Oliver Kahn, considerado o melhor do mundo na ocasião.

Não preciso aqui me estender para lembrar que naquela partida Marcos fechou o gol e Oliver Kahn foi decisivo no resultado final falhando feio no primeiro gol do Brasil ao rebotar uma encaixada rasteira simples.

Passados oito anos, uma história parecida se repetiu na partida de ontem entre Brasil e Holanda que culminou com a eliminação da nossa seleção na Copa do Mundo de 2010. Stekelenburg, goleiro da Holanda, um pouco desconhecido no cenário mundial, fez um partidasso, fechando o gol principalmente no primeiro tempo. Duas defesas, em especial, foram importantíssimas e ao mesmo dificílimas: a de mão trocada no lado esquerdo do goleiro após chute colocado de Kaká e a de mão de canto no pé da trave esquerda após bomba do lateral Maicon.

A outra parte da história que se repetiu tocou ao melhor goleiro do mundo, o nosso Júlio César. Uma infelicidade na saída de gol, após cruzamento de Sneijder, resultou no gol de empate da Holanda, o que acabou desestabilizando a seleção. O gol foi fatal, pois pesou muito na derrota brasileira, assim como na alemã em 2002.

Não se sabe ao certo se Júlio gritou pela bola e Felipe Melo não saiu da frente ou se Júlio saiu sem gritar. O fato é que nosso Júlio errou em bola ao tentar cortar o cruzamento devido a esse desentendimento com Melo o que ocasionou um choque entre os dois. Ainda acho que o goleiro até poderia ter tentado agarrar essa bola, já que não havia adversários na jogada.

Apesar do erro, nada pode apagar o que Júlio César fez pelo gol da seleção até agora. Nada apaga as grandes defesas nas eliminatórias e Copa das Confederações que garantiram diversas vitórias ao Brasil. Nada apaga a grande temporada na Inter de Milão com o título maior do futebol de clubes europeus, a UEFA Champions League. Foi realmente uma pena, mas que infelizmente faz parte dessa dura vida de goleiro. Força Júlio.

0 visualização0 comentário