• Fabio Ritter

Apito Final para o Brasileirão 2014


cruzeiro-campeao-mineiro-640x480-dudu-macedo-fotoarena

Muito se criticou este Campeonato Brasileiro pelo nível técnico das partidas e dos jogadores. Os comentaristas dos principais veículos de comunicação do país, principalmente os esportivos, apontaram este como um dos piores campeonatos dos últimos tempos. Sem querer entrar nesta polêmica, de cara adianto que esta crise não passou pela posição de goleiro. O Brasileirão 2014 mostrou mais uma vez que temos bons nomes com a camisa 1 na nossa terra.

Neste ano, vimos mais uma vez os velhos conhecidos Fábio, do Cruzeiro, e Victor, do Atlético Mineiro. A dupla de Minas ganhou as duas principais competições do país, sendo novamente peças importantes em suas equipes. Dois nomes que sem dúvida alguma tem passe livre na Seleção Brasileira, podendo representar o país a qualquer momento.

O Brasileirão também mostrou que o veterano Rogério Ceni, de 41 anos, continua jogando em grande performance. Prova disso, além das boas atuações, é que o goleiro vai para mais uma Copa Libertadores em 2015, renovando seu contrato com o São Paulo. Cássio, no Corinthians, segue mostrando que é também um baita goleiro. Ainda no Estado de São Paulo temos outros bons nomes da posição como Aranha, do Santos, e Prass, do Palmeiras.

Fazendo a ponte aérea chegamos na cidade maravilhosa onde joga o goleiro titular da Seleção Brasileira, Jefferson. Apesar da queda para a Série B, do seu Botafogo, o goleiro fez grande campeonato, sendo inclusive eleito o melhor da posição. Cavalieri, do Fluminense, é outro monstro no gol. No Flamengo, tivemos a emergência do novato Paulo Victor, o que serve como mostra de que uma nova geração vem por aí.

Em Porto Alegre, Marcelo Grohe firmou-se de vez como o número 1 do Grêmio, depois de tantos anos de espera. Fez um baita campeonato, sendo inclusive chamado por Dunga. No Inter, um período de transição fez emergir o jovem Alisson, importante na classificação de seu time a Copa Libertadores.

As duas revelações do certame vem, para mim, de Santa Catarina. Tiago Volpi, do Figueirense, que completará 24 anos ainda neste mês, mostrou ter um altíssimo potencial técnico, aliado a uma forte personalidade debaixo dos postes. É um baita nome para os times de ponta da Série A ficarem de olho. Mais ao oeste do estado, tivemos em Danilo, da Chapecoense, uma manutenção da dinastia Ceni, no estilo de jogo com os pés. O goleiro foi dono da melhor reposição do campeonato, além de mostrar extrema habilidade com os pés. Além disso, seu 1 vs. 1 mostrou que é um monstro também debaixo dos postes. Um pouco mais velho, com 29 anos, o goleiro também está no radar dos grandes times do país.

Weverton, do Atlético Paranaense, Vanderlei, do Coritiba, Renan, do Goiás, Magrão, do Sport, e Marcelo Lomba, do Bahia, são os outros nomes que completam a lista dos bons goleiros firmados como de elite no país.

Ou seja, de todos os nomes citados aqui nenhum fez fiasco. Nenhum comprometeu. Pelo contrário, a grande maioria foi destaque em seus times, mostrando que a posição de goleiro ainda é uma das que melhores está desenvolvida no Brasil. Somo a eles todos os nomes de destaque do futebol europeu, como Rafael Cabral, Diego Alves e Neto. Temos uma cesta grande de opções para escolher um camisa 1 para 2018. A crise, definitivamente, não passa pelo número 1 no Brasil.

0 visualização0 comentário