• Fabio Ritter

Entrevista Exclusiva: Hugo Oliveira, treinador de goleiros da Seleção Portuguesa


O Guarda-Metas.com traz mais um conteúdo exclusivo ao blogoleiro e entrevista o treinador de goleiros da seleção principal de portugal, Hugo Oliveira. O treinador, que também ataca de poeta (leia a entrevista até o final para entender), destaca seus pupilos Beto e Fernando Prass e dá diversas dicas aos goleiros. É uma bela chance para aprender um pouco mais da escola europeia. Confira a entrevista abaixo:

Guarda-Metas.com: Qual a principal diferença que notas entre o goleiro europeu e o brasileiro? Hugo Oliveira: O futebol atual é um jogo com características diferentes de há alguns anos atrás. Essas mudanças foram ao encontro de algumas características/contextos de jogo onde o Guarda-Redes (goleiro em português de Portugal) brasileiro é forte, principalmente com a alteração da regra do passe atrasado. O goleiro brasileiro fica à vontade para jogar com os pés dando possibilidade à sua equipe de manter posse de bola através do seu goleiro.

Também o uso de muitas transições rápidas ofensivas no futebol atual vão ao encontro à qualidade de distribuição em half volley (quebrada com voleio) do goleiro brasileiro.

O goleiro europeu é mais defensivo, mas tem mais base técnica, apesar de os brasileiros terem evoluído muito nesse sentido nos últimos tempos.

O Brasileiro é mais intuitivo o que é bom em distancias curtas, mas em distâncias médias e longas leva-o a ser mais precoce na antecipação de ação que os europeus. No fundo, falo de modelos de goleiros diferentes, mas o importante não é a nacionalidade mas sim a qualidade e eficácia.

GM: Que características pensas ter de melhor o goleiro português? HO: O português, o brasileiro, o alemão…todos devem melhorar o seu conhecimento do jogo! O goleiro atual deve perceber muito de futebol para tomar decisões individuais acertadas e também a ajudar na organização coletiva.

Tocando particularmente no caso português existem contextos de jogo a melhorar como a ação de cruzamento, leitura, timming e ataque!

GM: De que forma gostas de trabalhar com teus goleiros? HO: Só entendo o treino como base do jogo! Todo o meu pensar metodológico vai ao encontro das ações que ocorrem no jogo, ou seja, leituras de situações de jogo, tomadas de decisão de jogo, ações de jogo tácticas com base em ações técnicas! O máximo possível em ações coletivas de ação real!

Nunca separando as vertentes técnica/táctica/física/psicológica! Não separando os contextos defensivos dos ofensivos! O meu pensamento tem um lema, que agora ate é tema de Pós Graduação Universitária que estou a coordenar: o jogo, a equipe, o goleiro: um só pensar!

GM: Qual técnica, ou técnicas, achas fundamental no goleiro de hoje? HO: A técnica é a base de um goleiro de qualidade! Todo goleiro top deve dominar as técnicas base! Mas mais importante que tudo isso é a adequação da técnica correta numa ação de decisão táctica correta! Que adianta dominar toda a técnica se não estou bem posicionado? Se não decido bem o timming da ação técnica? A leitura, a decisão e o envolvimento táctico adequando ação técnica correta é que é importante. Em relação mais direta à pergunta, posso dizer que o goleiro de hoje deve ser bem mais completo, dominando ações de técnica correta no domínio defensivo mas também ofensivo.

GM: Quais goleiros já revelaste? HO: No meu trajeto já encontrei goleiros de muita qualidade! É importante conhecer/ler bem o goleiro que tens pela frente e chegar a um pensamento que no meu método também é importante: o treino individualizado!

Nenhum goleiro é igual ao outro! E se assim é, porque que o treino é igual para os 3 ou 4 goleiros do inicio ao fim?! Não pode ser! Adéque ao que têm de melhor e pior e ajuda-os a evoluir!

Posso falar do goleiro Beto do FC Porto e da seleção Portuguesa, que no clube vai alternando com o Brasileiro Helton, que é bem mais experiente. Trabalhei com ele numa pequena equipe de segunda divisão e senti que cresceu muito. Hoje está aí num grande da Europa. Fico feliz!

Quem também me faz feliz sempre que vejo jogar é o Brasileiro Fernando Prass! Estive com ele na União de Leiria e dali saiu para o Vasco da Gama. Foi um ano difícil para o clube e ele, gigante como é, segurou um grupo e uma equipe!

Ainda hoje quando o vejo no Vasco penso que estou presente na forma como ele pensa o jogo agora e principalmente como influencia as ações dos adversários! Trabalhamos muito as diagonais e as ações de balanço técnico para ganhar duelos! Hoje vejo que já não faz recuos mecânicos e por isso tem as mais belas defesas do brasileirão! É ele que influencia o adversário mantendo a base e depois atacando sem antecipação!

Podia falar de outros goleiros, mas falo destes porque se o Beto já é goleiro de Seleção Portuguesa, o Fernando Prass, para mim, também podia ser goleiro de seleção Brasileira! Quem sabe ele ainda não chega lá?

Agora também estou a trabalhar com muito goleiro de seleção de base portuguesa e também é interessante influenciar o seu futuro.

GM: Que dicas tu dás aos goleiros que estão começando e àqueles que querem se aperfeiçoar na posição? HO: Basta ler as minhas outras respostas para perceber como penso: os goleiros de hoje devem saber do jogo, da missão e dos princípios da sua posição! Saber que faz parte do coletivo e não vive numa ilha como muitos pensam!

Todo goleiro que está a começar deve saber que é posição de pressão, de responsabilidade e que só com paixão pode sonhar vencer no futebol! É o herói que vive na sombra de um futebol onde o gol é rei e o goleiro anticristo! Mas só quem um dia observou o jogo de futebol com cuidado sabe que o único que voa é o Guarda-Redes e nesta vida quem não sonha voar??!

0 visualização0 comentário