• Fabio Ritter

Entrevista Exclusiva: Márcio Aguiar, o goleiro que parou o Corinthians



Guarda-Metas.com: Como e quando começaste a vida de goleiro? Márcio Aguiar: Comecei minha vida como goleiro muito jovem , tinha apenas 6 anos. Jogava futebol de salão lá no clube que sou sócio ate hoje (Círculo Militar de São Paulo). Só que eu jogava na linha e como eu era muito ruim, e ainda sou né (risos), o goleiro teve um problema e me colocaram no gol. Eu joguei bem esse jogo e no outro dia meu pai já comprou uma luva pra mim , mas nunca sonhava que iria chegar onde cheguei ! Aí joguei salão ate os 12 anos, passei até pelo Corinthians.

Quando fiz 13 anos meu pai me colocou numa peneira do São Paulo. Tinham mais de 100 meninos e apenas eu fui aprovado para treinar com o grupo dos meninos que na época era da categoria Dente de Leite (na época quem me aprovou foi o Rojas, treinador de goleiros que posteriormente seria meu treinador nos profissionais também). E foi aí que começou a minha carreira no campo. Joguei a base inteira no São Paulo e cheguei à seleção brasileira sub 20. Depois disso subi para o profissional como terceiro goleiro do São Paulo. Em 2004 fui emprestado para o Paulista de Jundiaí, onde me destaquei, e fui emprestado para o Grêmio. Operei o joelho em 2005 e voltei ao São Paulo. Depois passei por Paysandu , Ituano e estou 3 anos no Barueri que hoje é Grêmio Prudente.

GM: Em qual ídolo te inspiras? MA: Quem me inspira é Rogério Ceni, com quem tive a oportunidade de aprender muita coisa, por ter convivido por 5 anos. Considero um grande goleiro , uma grande pessoa, um amigo!

GM: Qual é tua maior virtude como goleiro? MA: Eu me considero um goleiro arrojado e de personalidade.

GM: Que tipo de treinamento mais gostas? Específico ou algum com o time? MA: Gosto de treinamento de campo reduzido, porque vem muitas bolas e dá para aproveitar bastante. Também gosto muito de treinar cruzamentos com o treinador de goleiros e chutes de fora da área. Sempre faço isso um dia antes dos jogos.

GM: Quem foi o treinador de goleiro que mais te ensinou fundamentos? MA: Foram, sem sombra de dúvidas, os que eu tive na base do São Paulo: Toinho, Moreira e o Rojas.

GM: Qual a melhor marca de luva para ti? MA: Uhlsport, sem sombra de duvidas. Estou com eles há 6 anos já, desde 2004!

GM: És um goleiro que fez toda a base em um grande clube como o São Paulo, depois passando por Grêmio e clubes do interior paulista. Qual a principal diferença entre jogar nestes clubes grandes que citei e nos clubes do interior? MA: São muitas as diferenças. Jogando em clubes do interior não existe cobrança de imprensa, nem de torcida, mas em compensação a cobrança interna é dobrada. Já em clubes como Grêmio e São Paulo a cobrança é de todas as partes. Tem que ter muita sabedoria para se manter. Hoje considero o Grêmio Prudente (na parte administrativa) uma equipe grande. É uma equipe que nunca atrasou salários e que tem diretores competentes que sempre montam elencos competitivos. A maior prova é a posição que o clube ocupa hoje, estando na serie A do Brasileiro e disputando uma Sul-Americana.

GM: Conhecias o Guarda-Metas.com? Estás concorrendo à Defesa da Semana 9! MA: Já conhecia sim o site de vocês e sempre dou uma olhada. Na Defesa da Semana, já votei na minha! (risos). Espero estar em outras edições!

GM: Que dica final gostaria de passar aos goleiros. MA: A dica que posso passar é que para ser um goleiro de talento tem que se ter a cabeça no lugar, ser muito frio e tomar as decisões muito rapidamente dentro de campo.

0 visualização0 comentário