• Fabio Ritter

Eu falei que não era simples

Quando comentei aqui no GM sobre a performance de Manuel Neuer diante da Argélia frisei que não era um estilo de jogo para qualquer goleiro. Ressaltei a força física e a velocidade do goleiro alemão como base para seu estilo de jogo adiantado. Além disso, e talvez principalmente, a sua noção de tempo de bola também é algo fundamental para não ser surpreendido.

Pois bem, foi o Campeonato Brasileiro recomeçar para notarmos pequenas influências pós-copa. Uma delas foi percebida no gol sofrido pelo novato Andrei, do Botafogo, na partida diante do Sport. Jogando bem adiantado o goleiro foi surpreendido por Neto Baiano em um chute de longa distância. Veja abaixo:


Repare na forma como Andrei retorna ao seu gol: completamente atabalhoado. Tanto que quando a bola cruza a linha ela está no meio do gol e Andrei lá no poste da sua esquerda. O goleiro do Fogão errou na recuperação, na passada, no tempo de bola e na noção de espaço. Ele nem se quer levanta os braços, faz até uma menção com a cabeça.

Mais uma vez ressalto que o jogo é o espelho do treino. Não se pode inventar algo novo em um jogo sem antes nunca ter sido praticado. Achar bonito o Neuer ir lá fora da grande área e querer fazer igual, sem estar preparado de fato, pode resultar em gol.

Por fim, não quero desencorajar os novos goleiros a buscar essa nova forma de jogar, mais adiantada como o primeiro homem do time. Apenas ressalto que esse comportamento deve ser treinado. Especialmente a recuperação, pois evitar o gol tem que ser sempre nossa primeira reação.

0 visualização0 comentário