top of page
  • Fabio Ritter

Goleiros da História: American Boy

*por Fábio Fernandes



Antonio Michael Meola, o Tony Meola, foi um goleiro norte-americano e talvez um dos maiores arqueiros da história do futebol dos EUA.

Nascido em Belleville, cidade do estado americano de Nova Jérsei, no dia 21 de fevereiro de 1969 e como um americano nato, começou a jogar futebol na escola. Em 1986 foi para Universidade de Virgínia.

Como era um grande esportista, Meola por pouco não se transformou em um jogador profissional de beisebol, esporte muito difundido em seu país.

Em 90 foi tentar a vida na Inglaterra (na época, ainda não existia a MLS – Liga de Futebol Profissional dos EUA), sendo emprestado para Brighton Hove Albion e para o Watford, mas quase não atuou por nenhum dos dois clubes.


Retornou para a América para jogar no Fort Lauderdale Strikers e depois no Long Island Rough Riders.

Em 1996 foi criada a Liga Americana, quando Meola defendeu o MetroStars. Depois foi para Kansas City Wizards e em seguida retornou para o MetroStars que então passou a se chamar Red Bull New York.

Insatisfeito com a reserva no clube de Nova Iorque, decidiu jogar futebol Indoor, modalidade que deu origem ao Showbol aqui no Brasil.

Embora tenha perambulado por vários clubes e nunca se firmado em nenhum deles, até porque em seu pais, o futebol, ou o “soccer”, nunca foi idolatrado, foi na Seleção dos Estados Unidos que obteve sucesso e destaque mundial.

Disputou três Copas do Mundo, 1990, 1994 e 2002. As duas primeiras como titular. Em 94 talvez tenha alcançado seu auge. Levou sua equipe as oitavas de final, mas por ironia do destino enfrentou, logo no primeiro jogo desta segunda fase, o Brasil.


Tentou segurar a seleção canarinho como pôde, mas saiu de campo derrotado por 1 a 0.

Sempre muito seguro e tranquilo, seu estilo parecia da escola europeia. Frio, sereno, aguardava a jogada, esperava a decisão do atacante, sem desespero.

Meola era diferente. Usava rabo de cavalo, tinha boa altura, 1,85m, mas travava uma briga com a balança. Sempre acima dos 90 Kg, às vezes parecia rondar a casa dos três dígitos.

Sua irreverência não parava por aí. Além de quase se profissionalizar no beisebol, em 1994 se aventurou na NFL (a liga de futebol americano) como kicker (chutador), e mais, tentou a carreira de ator em uma peça de teatro.

0 visualização0 comentário
bottom of page