• Fabio Ritter

O revés de jogar adiantado

Sofri um gol neste último final de semana que muito tem a ver com o quarto gol sofrido por Felipe, na partida do Santos diante do Palmeiras. A necessidade de jogar adiantado para interceptar eventuais contra-ataques pode ter seu revés.

Aqui na Inglaterra, uma das jogadas mais frequentes é o lançamento direto para o ataque no famoso chutão. Assim, temos que jogar quase na risca da grande área para as vezes até sair fora dela interceptando a jogada. No Brasil, o mesmo ocorre, mas devido a velocidade dos atacantes adversários.

Repare no vídeo abaixo, do quarto gol do Palmeiras, que no começo da jogada Felipe está próximo à risca da grande área. Em um erro de saída de bola de seu time, o goleiro não consegue voltar à tempo para a melhor posição possível e fica adiantado no chute de Robert. Assim, o chute acaba encobrindo o goleiro e alcançando as redes.

Por mais que concorde com o posicionamento adiantando dos goleiros, penso que também é papel da zaga protegê-lo nesses eventuais lançamentos em profundidade. Afinal de contas o papel do goleiro é proteger o gol, não a zaga. Assim, uma conversa com zaga e terinador para corrigir o posicionamento é sempre bem vinda. Caso contrário vamos estar sempre expostos a lances como estes. E no final das contas a culpa vai cair sobre quem? O goleiro, óbvio, que estaria adiantado.


0 visualização0 comentário