• Fabio Ritter

11 metros: heróis e vilões

Os campeonatos estaduais conheceram, neste último final de semana, seus finalistas. No Carioca e no Paulista, um dos finalistas foi conhecido após as tensas cobranças de pênaltis.

A partida entre Botafogo e Fluminense foi vencida pelo alvi-negro por 2 a 1, exatamente o mesmo placar do jogo de ida. Assim, decidiu-se nos pênaltis o finalista. Veja abaixo:


Destaque para herói Renan, do Botafogo, que substituindo o titular da Seleção Brasileira, Jefferson, fez grande partida. Na disputa defendeu duas cobranças e ainda contou com a sorte na cobrança final que foi por cima.

Normalmente, os goleiros estão de sangue doce nesse tipo de disputa. Isso porque a responsabilidade sempre é do atacante em fazer o gol, já que está a apenas 11 metros do gol. Perfeito, isso não é problema para o goleiro até que ele seja obrigado a bater o seu. Foi isso que Cavalieri teve de fazer. Ao isolar a bola por cima do gol, o goleiro tricolor viveu na pele o papel de vilão, como  Elias e Petros, do Corinthians.

Isso porque no Paulistão, quando Corinthians e Palmeiras disputavam uma vaga na final, o Timão ficou a um gol da vitória nos pênaltis. Era só Elias conferir que a vaga estava garantida. Mas aí entrou o grande goleiro e heroí Fernando Prass que parou a cobrança com grande defesa.


No fim, Prass defendeu a cobrança decisiva de Petros. Repare como ele salta firme para a bola usando de grande impulsão para chegar em um chute rasteiro de difícil defesa. Aqui, foi muito mais uma defesa de Prass do que um desperdício de Petros.

0 visualização0 comentário
logo_bola.png