• Fabio Ritter

Goleiros da História: A fama pela porta dos fundos

*por Fábio Fernandes


Roberto Antonio Rojas Saavedra nasceu no dia 8 de agosto de 1957 em Santiago, capital do Chile.

Começou a carreira no Deportes Aviación em 1976 e no início de 83 foi transferido para o Colo-Colo. Suas atuações na equipe de Santiago e a excelente Copa América de 1987 com a seleção chilena despertaram o interesse do São Paulo que contratou o goleiro em seguida.

Era um dos melhores e, é apontado até hoje como um dos melhores goleiros chilenos de todos os tempos.

Mas acho que ele não acreditava nisso. Ele era bom. Muito bom. Seria muito mais famoso se tivesse jogado mais tempo ou se tivesse saído do futebol pela porta da frente.

Era titular absoluto da seleção chilena até fazer a escolha errada.

O ano era 1989 e o dia, o fatídico, era 3 de setembro. Disputava com sua equipe as eliminatórias para a Copa do Mundo da Itália.

Maracanã lotado para ver Brasil e Chile. Como de costume, o Brasil dominava a partida e atacava sem parar. Mas o placar insistia em ficar intacto graças a ele. Roberto Rojas. Ele estava impossível e impossível era sair algum gol naquele jogo. O Chile não atacava e o Brasil parava na competência e na tarde iluminada do arqueiro chileno.


O primeiro tempo acabou. E o jogo 0 a 0. Veio a segunda etapa. E água mole em pedra dura… o restante todos já sabem. Careca avança pela esquerda entra na área e bate cruzado. Rojas ainda toca na bola, mas ela queria era tocar a rede.

Brasil 1 a 0.

Mas de repente o espetáculo chega ao fim antes do tempo. Um sinalizador cai dentro do campo, próximo ao goleiro que no chão, se contorce e esfrega o punho em sua própria testa.

Seus companheiros o acodem, o carregam e a equipe do Chile deixa o gramado. O juiz finaliza a partida. O adversário brasileiro abandona o campo. Ninguém entendia nada.

Mas tudo foi se encaixando e fazendo sentido dias depois. Rojas simulara a contusão e se cortara para forjar ter sido atingido pelo objeto vindo das arquibancadas, com intuito de anular a partida.

Tudo foi descoberto e todos desmascarados, inclusive o arqueiro.

A sua pena? Foi banido do futebol como atleta.

O curioso é que o Chile tentou ludibriar todos por não acreditar na sua equipe. Realmente era fraca, mas deveriam ter confiado no goleiro que possuíam, pois ele poderia mudar o jogo, mas pela porta da frente, com sua competência.

6 visualizações0 comentário