• Fabio Ritter

Goleiros da História: Seleção? Pra quê?

*por Fábio Fernandes



Raul Guilherme Plassmann nasceu em 27 de setembro de 1944 na cidade de Antonina no Paraná, situada a pouco menos de 100 km da capital Curitiba.

Começou a jogar futebol no Atlético Paranaense aos 18 anos. Logo foi transferido para o São Paulo, mas foi pouco utilizado. Em 1965 foi para o Cruzeiro, clube onde despontou para futebol brasileiro e mundial.

Em Minas ganhou muitos títulos, sendo o mais importante a Libertadores da América em 1976. Disputou o Mundial mas perdeu para o Bayern de Munique. Foi muito elogiado pelo goleiro adversário que era simplesmente o alemão Sepp Maier.


Em 78, já com 34 anos, foi contratado pelo Flamengo. No clube carioca continuou seu sucesso conquistando mais uma Libertadores e desta vez, um Mundial Interclubes também. Ainda no Rio ganhou os Campeonatos Brasileiros de 80, 82 e 83.

Com 1,87m, repunha muito bem a bola. Saía rápido e ligava contra-ataques. Vaidoso e ao mesmo tempo discreto, Raul inovou ainda nos anos 60 vestindo a, hoje tradicional, camisa amarela. Na época, quase todos os uniformes de goleiro eram pretos, mas ele era diferente, não só na vestimenta como também na técnica.

Sempre muito frio, era tranquilo em campo. Mas esbravejava com a zaga se a marcação não estivesse de acordo com o combinado. Passava segurança para seus companheiros com defesas simples, sem firulas. Não inventava, ele simplesmente jogava o jogo. E com muita categoria.

Raul jogou muito pouco pela seleção brasileira. Nunca disputou uma Copa do Mundo. Esteve perto em 1982, mas com quase 38 anos, o técnico Telê Santana preferiu pelos mais jovens Waldir Peres, Paulo Sérgio e Carlos.


Faz parte do maior Flamengo de todos os tempos e também do maior Cruzeiro de todos os tempos.

Como jogador deixou os gramados no final de 1983 aos 39 anos. Posteriormente tentou a carreira de treinador, mas não alcançou o mesmo sucesso. Atualmente é comentarista esportivo de TV. Era chamado carinhosamente de “Velho” pelos companheiros de clube.

0 visualização0 comentário