• Fabio Ritter

A dificuldade da juventude

O goleiro como muitos dizem é como o vinho, fica melhor ao passar dos anos. Isso se explica pelo alto controle emocional exigido dele durante uma partida. Assim, quando novos é extremamente comum ver goleiros fracassarem.

Ontem, na Copa Santander Libertadores foi a vez de ver mais um caso destes. O goleiro Bruno Centeno, do San Lorenzo, da Argentina, de 20 anos, entrou no lugar do titular Orión, no confronto diante do Libertad, no Paraguai.

Visivelmente nervoso, Centeno falhou nos dois gols. No primeiro, o já famoso problema da encaixada argentina fez o goleiro bater roupa e dar rebote nos pés de seu adversário. No segundo gol, em um chute despretensioso, de média distância o goleiro caiu muito lento e deixou a bola passar debaixo de seus braços.

Ano passado a Argentina já tinha vivido uma situação parecida com o goleiro Javier Garcia, do Boca, que saiu chorando de uma partida por falhar. Por isso, que tal variável psicológica deve ser uma das mais trabalhadas desde cedo na formação do goleiro. Mostrar os riscos que se corre durante uma partida e principalmente a pressão por não poder errar vai ajudar a preparar o goleiro a ter um bom controle emocional durante as partida.


0 visualização0 comentário
logo_bola.png