• Fabio Ritter

Entrevista Exclusiva: Luis Henrique Moraes, preparador Corinthians Sub-20


Guarda-Metas.com: Primeiramente, poderias dar uma breve explanação da tua carreira, onde começou, onde trabalha atualmente.

Luis Henrique Moraes: Comecei a trabalhar como preparador de goleiros em 2001 no Clube Atlético Pirassununguense. Trabalhei em Pirassununga até 2003, na equipe do Prof. Adailton Ladeira. Em 2006 o Prof. Ladeira me convidou para trabalhar no Sport Club Corinthians Pta. Trabalhei no Sub 17 até maio de 2007, quando subi pra os juniores, onde estou até hoje.

GM: Quais goleiros já revelou? LHM: Costumo falar que quem realmente revelou os atletas foi o Depto. de Formação de Atletas, pois todos passaram pelas etapas de formação dentro do clube, ou seja, vivenciaram todas as categorias, onde existem profissionais de grande capacidade. Passaram por mim: – Eder, atualmente no Ituano, iniciou comigo em Pirassununga; – Luis Fernando, atualmente no Red Bull; – Rafael Santos, atualmente nos profissionais do Corinthians; – Danilo Fernandes, profissionais do Corinthians; – André Dias, campeão da Copa São Paulo 2009, atualmente no Noroeste de Bauru;

GM: Notei que pregas muito o trabalho físico de musculação, que é um tema polêmico em se tratando de base. LHM: Iniciei este trabalho de força específico aos goleiros em meados de 2006, ainda quando estava nos juvenis. Em 2007 fiz a primeira periodização visando uma competição (Copa São Paulo) onde alcancei resultados excelentes. Estes resultados me deram a confiança necessária para seguir com a metodologia.


GM: A partir de qual idade a musculação deve auxiliar a preparação do goleiro? LHM: Começamos fazer a adaptação aos treinos aos 14 anos, a sobrecarga não existe nesse período, só peso corporal, nessa fase já começa o fortalecimento do CORE (músculos estabilizadores do tronco), base do nosso trabalho. É muito importante o inicio do gesto motor empregado nos treinamentos, ou seja, simular sem sobrecarga os movimentos do agachamento, obtendo assim a melhora da coordenação e da postura. É muito importante o atleta chegar à fase de auto-rendimento com os músculos do CORE muito bem fortalecidos e o quadril totalmente equilibrado para que estes atletas suportem nossa rotina de trabalho. Quando o atleta chega ao sub 17 a sobrecarga é aumentada, é o inicio da fase de alto rendimento.

GM: Qual tipo de trabalho preferes: séries exaustivas com várias repetições ou série de qualidade com poucas repetições. LHM: Procuro trabalhar o máximo dentro da especificidade da posição, estímulos curtos e intensos. Posso até manter um número alto de repetições dentro de uma seção de treinamento, mas com a recuperação total entre as séries, pois um goleiro exausto não responde de uma forma ótima aos estímulos físicos e técnicos.

GM: Há uma grande divergência quanto à forma de o goleiro levantar. Uns treinadores preferem o tradicional giro e outros o levantamento com o tronco. Qual tu preferes? LHM: No meu entender o giro, ou não giro, depende da situação. Em uma seção de treino onde se prioriza a velocidade, o giro se torna importante. Já, em um trabalho técnico de travada, onde a movimentação é curta, o giro atrapalha. Minha opinião tem que se trabalhar das duas formas. O jogo é multifatorial, temos que estar prontos para todas as situações que se formam dentro do nosso ambiente de jogo.

GM: O que cada fase da formação do goleiro deve abordar. LHM: 3-7 – Totalmente voltado ao lúdico e jogos 7-12 – Nessa fase já se inicia o processo pedagógico dos fundamentos técnicos aliados ao correr, saltar, escalar, pendurar, lateralidade, coordenação. 12-15 – Continuidade da fase anterior, priorizando os gestos técnicos, aumentando o volume das repetições. 15-17- Nessa fase é importante o goleiro já ter consciência do seu papel dentro do jogo, intensifica-se o trabalho técnico e tático, continuidade do processo de adaptação à sobrecarga. Fase adulta, alto rendimento, preparação totalmente específica tanto física e técnica, intensidade máxima da preparação.

GM: Para terminar, quais características consideras fundamental no goleiro? LHM: O goleiro tem que ter altura compatível para a posição, 185 a 195 cm, ser rápido, ágil, arrojado, ter liderança. Resumindo tudo, tem que ser forte (funcional, não em volume muscular). Ninguém forma goleiro se não avaliar corretamente. O goleiro nasce goleiro, então nosso papel é transformar algo já existente.


0 visualização0 comentário