• Fabio Ritter

Palop, Palop, Palop


Sim, três vezes. Palop simplesmente fechou o gol do Sevilla na final da Copa da Uefa, nesta quarta-feira, dia 16 de maio de 2007. Três pênaltis defendidos garantindo o título de sua equipe, além de uma atuação impecável.

Em um duelo de goleiros Palop levou a melhor sobre Iraizoz, goleiro do Espanyol, apesar deste ter também feito grande atuação na decisão. Palop de ponta a ponta teve atuações fundamentais na vitória do Sevilla. No início da partida, fez bela defesa em chute de média distância no seu canto rasteiro direito mostrando qualidade na queda e na firmeza. Aos 18 minutos teve papel fundamental no gol que abriu o marcador. Após saída de gol com firmeza fez lançamento rasante com a mão além do meio de campo com velocidade alcançando o lateral-esquerdo brasileiro Adriano que na seqüência da jogada marcou 1 a 0. No gol de empate, Palop foi bem para a bola quase conseguindo interceptar o chute que desviou no seu zagueiro. Sem culpa no gol.

Depois de ter influência no ataque, Palop, na segunda etapa e na prorrogação, fez novas belas defesas. Em especial, duas belas defesas de mão trocada. Uma mais ao centro do gol na qual a bola foi espalmada pela mão direita. A outra no lado esquerdo após chute sem pulo do adversário que também foi afastada com a mão direita. Defesa dificílima. Palop ainda deu boas saídas de gol, socando a bola, já que chovia muito em Glasgow. Aos 115 minutos sofreu o segundo gol, marcado pelo brasileiro Jonatas. Sem culpa também já que o chute foi forte abrindo e no canto rasteiro esquerdo. Por fim, nas cobranças de pênalti a consagração. Palop defendeu três cobranças. Todas elas cobradas a meia altura. Palop escolheu bem o lado, saindo milésimos de segundos antes da cobrança, como na maioria das vezes deve fazer o goleiro. Atuação nota 10.

0 visualização0 comentário